Inteligência Artificial, ah, isso não é comigo!

robot learning or solving problems

Como comentei no meu post anterior, muitos profissionais, experientes ou não, ainda não abriram os olhos para o impacto da IA na sua área de atuação, tanto em tempo como em intensidade, pois acreditam que se trata apenas de uma automatização comum e subestimam a máquina achando que a mesma ainda não tem capacidade de executar seu trabalho, o post de hoje tem o objetivo de mostrar, com exemplos reais, que não somente já tem a capacidade, como já está substituindo alguns profissionais.

Primeiramente precisamos definir a diferença entre uma automatização comum e a IA. A diferença básica é que a IA aprende com seus erros e provavelmente não o comete novamente, já a automatização comum se cometer um erro vai continuar a cometer o mesmo erro até que um humano intervenha no seu código. A IA não precisa dessa intervenção, ela se corrige, ou seja, não precisa mais do humano. Entenderam!? Elas, as máquinas, aprendem sozinhas novas atividades, funções e cada vez mais precisam de menos humanos.

“Ah, isso é impossível!”

Não senhor, não é não, vou te mostrar…

“Inteligência artificial diagnostica tipo raro de leucemia e salva vida no Japão”

Usar IA para o preenchimento de dados que se repetem em certos grupos de processos judiciais aumenta a taxa de acerto para 95% contra 75% dos humanos.

IA compreende preferência do consumidor e gera recomendação possibilitando a personalização em massa de vestuário.

Esses são alguns dos muitos exemplos de como e aonde a IA está entrando no mercado profissional e substituindo humanos de forma mais eficiente. É fato, empregos que não requerem habilidades criativas ou estratégicas a IA é muito mais eficiente, fica difícil para um médico competir com a IA em patologias, pois a IA diagnostica em décimos de segundos cruzando milhões de informações de um banco de dados gigantesco de patologias, criado por humanos por sinal. Quanto tempo um humano ou um grupo de humanos levaria? Horas, dias, meses? Dependendo da complexidade do caso nem conseguiriam chegar em um diagnóstico correto que é o caso exemplificado acima. Em um futuro próximo a IA agirá preventivamente usando o seu mapa genético.

Então você vai pensar: “Corram para as colinas, estamos perdidos, vamos todos ficar desempregados!”

Bem, toda mudança exige adaptação, a IA gerará sim desemprego como já está gerando e como outras revoluções geraram também, por exemplo a Revolução Industrial. Nas revoluções não há escolha, elas simplesmente vêm e engole quem está parado, por isso mesmo não podemos ficar parados lamentando, temos que olhar para o futuro de forma proativa e nos adaptar. Nesse cenário nós, os humanos, temos que focar em trabalhos criativos e estratégicos, pois não é a IA que descobrirá a cura do câncer ou criará Leis Éticas para os programadores de IA. Aqui faço um especial chamado para os futuros profissionais que ainda estão nas Universidades, elas, as Universidades, ainda estão preparando profissionais tradicionais, não estão preparando profissionais IA!

É impossível prever como será o futuro, toda mudança traz dúvida, medo, escolhas e perdas, mas mesmo assim prefiro ver o copo meio cheio e acreditar que essas mudanças virão para melhor. Está em nossas mãos formatá-las!

Anúncios

Se correr os Bots pegam se ficar os Bots comem! Um despertar para a realidade.

download (1)

Como a cartilha reza, atualizar as boas práticas de processo e gestão é o dever de todo bom profissional e para isso costumo ler alguns artigos da Harvard Business Review e certa vez me deparei com o artigo The Future of Human Work Is Imaginajtion, Creativity, and Strategy e entre muitas afirmações uma me chamou muito a atenção, em tradução livre e direta, “39% dos empregos no setor legal poderiam ser automatizados nos próximos 10 anos”. Pensei: “Coitados dos Advogados!”. Porém no próximo parágrafo o tiro foi a queima roupa, o The National Institute of Standards nos EUA estima que Machine Learning pode melhorar a capacidade de produção em até 20% e reduzir o desperdício de matéria-prima em 4%!

Machine Learning, já tinha lido a respeito para entender o conceito, mas não dei muita atenção, pois achei que ainda era uma realidade de Matrix ou Os Jetsons, mas aquele artigo estava me dizendo que essa realidade já está acontecendo e que entre 5 e 10 milhões de empregos serão perdidos até 2020! Aquilo abriu os meus olhos e acendeu o alerta vermelho, cavando mais profundo atrás de mais informação cheguei à tão famigerada Inteligência Artificial (IA ou AI no inglês) que assusta até mesmo o Elon Musk que afirmou ser a Inteligência Artificial muito mais perigosa que as Armas Nucleares.

Depois dessa minha descoberta e despertar para essa dolorosa realidade, resolvi seguir os conselhos do Tio Darwin, adaptar-se sempre, e resolvi fazer cursos de especialização. Já passei por um Bootcamp que não me fez um programador profissional, mas me ajudou a entender o ecossistema que gira por trás dessas tecnologias, fiz também cursos mais especializados em algumas linguagens de programação e agora, finalmente, estou focando em Data Science para se aprofundar em Machine Learning e IA que acredito ter maior conexão com o meu perfil profissional.

Falando em perfil profissional, claro, muito entusiasmado com esse novo mundo de possibilidades, tentei levar os conceitos e ideias para a empresa que trabalho, multinacional do setor de bens de consumo, e foi aí que me deparei com uma alienação total, tanto da empresa quanto dos profissionais, profissionais competentes que admiro muito ainda não acordaram para essa nova realidade. As empresas de forma geral, com exceção de poucas, ainda estão falando de e-commerce! Não entenderam que essa Tsunami tecnológica vai engolir todo mundo que ficar parado e esperando.

Olhando esse cenário decidi criar esse blog, que tem por objetivo compartilhar aprendizados e reflexões do impacto da IA no futuro das profissões. Não sou especialista no assunto, longe disso, e por isso mesmo minha intenção não é criar conceitos ou gerar discussões técnicas, mas sim provocar reflexões, questionamentos e críticas do status quo dos profissionais e das empresas, espero ser produtivo.